quarta-feira, 11 de maio de 2016

Por que eu amo Maceió?


Vou começar o post dizendo que eu não gostava da minha cidade. Tinha tanta vontade de conhecer o mundo e sair por aí que eu simplesmente não conseguia enxergar o próprio cantinho em que eu vivia. Eu só queria ir embora desse lugar que me aprisionava, para qualquer outro. Minha alma escapista me cegava. Só via graça naqueles lugares que tanto idealizava pelos livros, pela tela, pelas conversas, pela minha imaginação.

Até, um dia, ir. E me apaixonar. Constatar que sou, de fato, uma cidadã do mundo. Mas pela primeira vez, perceber que there is no place like home. E que lar! A cada km que rodo para longe, consigo valorizar cada vez mais a minha nação, meu estado, a minha cidade, meu bairro, minha rua. Parece que a distância me aproxima das minhas origens e eu gosto disso.

Eu gosto do cheirinho de maresia, da umidade, do sol e da chuva que aparece de vez em quando para quebrar a monotonia ensolarada. E é verdade, podem me chamar de clichê, mas o melhor daqui é mesmo a praia. Pajuçara, Ponta Verde, Ipioca, Guaxuma, Sereia... Sem falar das que ficam aqui pertinho. O ser humano ainda não conseguiu criar nada tão belo que a natureza por essas bandas.

E olha que ele tenta. Confesso que a arquitetura não é das mais exuberantes mas ainda assim, temos uma Catedral linda, o centro histórico de Jaraguá com prédios antigos bem conservados, casinhas coloridas e infelizmente muitas ruínas - e por incrível que pareça até elas são bem fotografáveis.

Claro, temos as nossas festas! Não temos carnaval, mas as prévias tem um toquezinho daqui que eu nunca vou achar em nenhum outro lugar. O São João é bem animado. Mas o Reveillon... Se você tiver dinheiro, não vai faltar lugar para ir. E se não tiver também, vai para a areia e deixa a noite te levar.

A comida... Hmm. Dá água na boca só de pensar nos peixes e frutos do mar, na culinária caseira com gostinho de sertão, da tapioquinha e da cocada de beira de estrada. E se quiser fugir dessa vibe mais típica, aqui tem também. Da alta culinária internacional, ao sandubão de esquina de lamber os dedos. Mas para mim o melhor lugar para comer mesmo é na orla. Não tem erro, as opções são várias e o passeio por si só já vale. Eu amo aquela brisa.

É fácil ver beleza na novidade, mas olhando direitinho, o lugar comum também tem seu charme. Não duvido que boa parte dos viajantes assíduos conhece mais algum lugar do mundo do que a própria cidade, estou errada? Reclamamos tanto que não temos dinheiro para viajar, mas sequer passa pela nossa própria cabeça que podemos ser turistas no nosso próprio canto. Já pensou em viajar por aí mesmo?

E foi pensando nisso que a  Yasmin do blog Qualquer Latitudereuniu várias blogueiras de viagem ao redor do Brasil num projeto muito legal  chamado "Eu ♥ a Minha Cidade". Dessa vez, as blogueiras teriam que fazer posts mensais sobre a sua própria cidade, bacana né? Confesso que mesmo tendo mudado a minha percepção sobre Maceió há um tempo, eu ainda não a conheço tanto assim. Por isso achei que a ideia foi a oportunidade perfeita para, finalmente, embarcar na viagem mais curta - e interessante! - que faria.

Até perceber que fazer essa viagem seria mais difícil que eu pensava.

Escrever esse post não foi fácil, simplesmente porque eu não sabia colocar em palavras o quanto me sinto bem nesse lugar. É, eu tenho esses bloqueios esquisitos. Bom, está escrito, do meu jeitinho.
Mas não para por aí, todo mês vai ter post sobre Maceió. Eba! Ah, não deixem de ver os posts das outras meninas, tá um melhor do que o outro. Inclusive, me dexaram morrendo de vontade de visitar as cidades delas.


Eu ♥ Curitiba – blog Qualquer Latitude | Eu ♥ Campo Grande – blog Lidy com Isso 

Eu ♥ Osasco – blog O Mundo da Ana | Eu ♥ Rio de Janeiro – blog Diários de um piquenique
Eu ♥ São Paulo – blogs Celle Coelho e Call me Maya


E vocês, amam o lugarzinho onde moram? Por que vocês acham que as pessoas merecem conhecer? Contem-me!

segunda-feira, 2 de maio de 2016

4/16

Tudo o que aconteceu no mês de Abril.
O mês de abril foi pouco produtivo e meio... estranho. Na faculdade as coisas começaram a desacelerar e os problemas foram aparecendo. Aquela empolgação toda do início virou uma crise existencial. Os dois últimos trabalhos, de rádio e TV, foram bem decepcionantes para ser sincera. O início de direito está cada vez mais perto e eu estou animadíssima e ao mesmo tempo morrendo de medo dessa reviravolta na minha vida.


Já aqui no blog, o primeiro post do mês foi justamente o desafio vegetariano que encarei entre fevereiro e março. Depois dos quarenta dias do desafio, voltei a comer só peixes e frutos do mar. No entanto... Bem, tive duas recaídas com o frango. Mas como a intenção nunca foi tornar isso uma obrigação ou algo radical, para mim é ok comer  alguma carne de vez em quando. Só a vermelha, que continuo evitando ao máximo. E mesmo assim, se um dia eu estiver com muita vontade/necessidade de comer, também não vai ser o fim do mundo.

Falando em frango, minhas recaídas foram justamente nas duas festas de casamento que fui no mês. Acho que estou ficando requisitada, haha. Na primeira, foi só muita fome e falta de opção mesmo. Ou era empada de frango ou era churrasco e torresmo. Aí né, 2h da manhã, sem comer, é meio pesado. Depois, no outro casamento - que diga-se de passagem, foi o mais lindo que já fui até hoje, em todos os sentidos  -, comi porque estava afim mesmo. Inclusive, tenho até que escrever alguma coisa sobre esses acontecimentos.



Não tem tempo morto em Brasília, mas abril definitivamente foi um mês bem agitado por lá. Teve votação do impeachment da nossa querida presidente na câmara dos deputados. Assisti àquilo e me senti meio numa apuração de escola de samba, meio numa final de campeonato, meio num programa da Xuxa. Ai ai. Falei um pouco sobre o que eu achava dessa bagunça que está no nosso país hoje - e sempre. Prevejo mais textos assim daqui para frente. Perdoem-me quem não gosta de política, estou começando a gostar.
  


Ah, há quanto tempo não postava resenha mesmo? Mas ó, dessa vez eu vim com resenha escrita e em vídeo do #livroUAI para vocês. Espero que gostem e tenham paciência comigo nesse lance de vídeo. Ainda estou aprendendo.
 
Falando em livros, tô tentando sugar a biblioteca da faculdade até ao máximo, ainda que eu ainda não consega ler tanto quanto gostaria. Comecei por "O Príncipe", de Maquiavel, já para adiantar os livros que vou ter que ler em direito. Vou tentar intercalar as leituras entre as duas áreas. Não lembro o outro tílulo que li, nem o autor, mas foi um estudo muuuuuito interessante de um designer-jornalista sobre a cor como informação. Agora estou lendo "Iniciação sobre a história da filosofia" e os próximos serão "Manual do Foca" e "Do Contrato Social". Oba! Até que estou gostando dessa vibe literária. Tô até pensando em arrumar alguma forma de falar desses clássicos por aqui. 



 + Não Precisa Saber

Porém... nem tudo são flores. Quer dizer, no caso, seria melhor dizer que nem tudo são espinhos. Não sei se faço certo ao falar de coisas tão pessoais por aqui, mesmo que ninguém leia mesmo. Mas sei lá, é meio estranho se abrir tanto assim. É libertador e ao mesmo tempo... Ai, não sei. Esse mês foi bem Lana Del Rey.

E sobre música, não tem como ignorar o Lemonade. Obra prima. Maravilhoso. Incrível. Para quem não sabe, Beyoncé lançou mais um visual album. A pegada é bem de filme conceitual mesmo, no qual ela fala principalmente de uma suposta traição do marido e de empoderamento da mulher negra. Vejam, sério.

+ Cinema: Lançamentos de Abril

E não poderia faltar o tradicional post dos lançamentos do cinema do mês. Não sou muito fã de heróis, mas essa moda tá pegando até em mim, viu? Estou louca para ver Capitão América. E claro, se eu conseguir dar um pulinho no cinema, vai ter resenha sim.

Como foi o Abril de vocês? Me contem!