domingo, 3 de janeiro de 2016

Filme: Star Wars - O Despertar da Força


Nota da Alice: Vebê é o novo colaborador de cinema, séries e bla bla bla. Ele é um cara gente boa, só tem alguns problemas com esse lance de ser informal. Mas ele é ótimo no assunto, enjoy!

Olá! eu sou o Victor Brunno, carinhosamente (espero eu) apelidado de Vebê pela autora deste blog. Sou nascido e criado em Maceió e tenho um carinho imenso pela minha cidade. Atualmente, terminei o Ensino Médio e estou a caminho do superior onde quero cursar engenharia. Fui convidado a ser o colaborador de séries, filmes e mídias de entretenimento do Pequena Aventureira. Honrado com a proposta, aceitei prontamente e busco a partir deste momento, trazer a vocês o melhor conteúdo de entretenimento em uma linguagem compreensível e da maneira mais clara possível. Abraços e nos veremos bastante por aqui!

Há alguns dias, assisti à saga de uma das franquias mais amadas – senão a mais - de toda galáxia: Star Wars. Eu iniciei a maratona pela ordem cronológica de lançamento, a trilogia original (composta pelos episódios IV, V e VI)  e admito que gostei bastante, em especial do episódio V: O império contra-ataca e vi também a não tão boa trilogia mais recente. Então, fui assistir ao despertar da força, adorei e vou contar um pouco sobre!

A nova aventura da Lucas films traz de volta o elenco antigo e introduz com maestria os novos personagens, de tal modo que, os já conhecidos não ficassem apenas como um elemento de nostalgia, mas sim parte essencial do despertar da força. Han Solo (Harrison Ford), por exemplo, funciona como um guia para a Rey (Daisy Ridley) e Finn (John Boyega) e nos traz um sorriso imenso acompanhado de uma emoção pulsante quando encontra a icônica Millenium Falcon e diz:


Ao ver os trailers do episódio VII, o novo dróide chamado de BB-8 não me pareceu uma ideia interessante e achava estanha a movimentação dele, entretanto quando assisti ao filme, fiquei apaixonado pelo BB-8, por conta do seu carisma, da sua movimentação (que irônico), da maneira com que interage com a Rey e, acreditem, emociona profundamente até os marmanjos mais rígidos! O dróide esférico laranja e branco com cabeça flutuante cativou a todos e mostrou-se ser uma das melhores atrações do novo filme, sem contar o imenso sucesso que está fazendo em vendas. 


Não posso falar de o despertar da força sem falar mais dos novos personagens. Poe Dameron (Oscar Isaac) é o piloto mais habilidoso da  aliança rebelde e garante muitas manobras incríveis com um caça rebelde, no entanto aparece muito pouco no filme, algo que pode mudar nos próximos. Rey é a figura mais intrigante do longa, a jovem possui habilidades de mecânica e sobrevivência, e sem precisar de nenhum apelo sexual surpreende a todos com sua coragem e força de vontade. Com certeza é uma das figuras femininas mais fortes do entretenimento atual. Finn junto ao BB-8 é o mais engraçado de todos, possui vontade de fazer o certo e estar disposto a mudar de lado para isso e passa a ter uma relevância gradual ao longo do filme.

Poe, Rey e Finn.
A história é muito bem construída e amarrada mesmo deixando algumas pontas secundárias soltas a serem respondidas nos próximos filmes, mas prova que J.J.Abrams fez um excelente trabalho e aliou perfeitamente a visão do que um diretor quer ver na versão final e do que um fã de longa data quer sentir. A prova disso estão os easter-eggs e referencias que aparecem aos montes no longa. Quer ver uma? O nome do Finn enquanto é um stormtropper da nova ordem é FN 2187, o número não foi escolhido ao acaso e sim como referência à numeração da cela em que Darth Vader coloca a Princesa (agora general) Leia no episódio IV. A mais famosa de todas é quando Finn pergunta a Han Solo onde irá prender a Capitã Phasma e o mercenário mais amado da galáxia pergunta se há algum compactador de lixo na starkiller, em referência ao momento em que Han, Leia e Luke ficam presos em um no episódio IV.

Leia, Han e Luke presos em um compactador de lixo no episódio IV. 
Outro ponto a ser notado é o tempo de duração do longa que é de um pouco mais que duas horas - o que está na média dos blockbusters - e a história prende a atenção do telespectador rapidamente sem haver a necessidade de cenas chatas ou apresentações desnecessárias dos personagens já conhecidos pelo público. Inclusive, quando aparecem, nossos olhos brilham por revê-los após tanto tempo de espera.

Millenium falcon fugindo de dois caças da primeira ordem.
O vilão Kylo Ren, inicialmente, se apresenta como um ser maligno de forte poder e controle, mas se percebe que o jovem ainda está evoluindo para se tornar algo maior, você se surpreenderá com as descobertas e atos que o novo antagonista tem a oferecer. Embora Adam Driver interprete com exímio Kylo Ren, sua aparência não condiz muito com a imagem assustadora que pretende passar quando está com o capacete e gera alguns comentários do tipo: “que cara feio!”, “tinha um ator bonito não?”.

 Kylo Ren (Adam Driver).
Por fim, Star wars o despertar da força supre todas as expectativas dos fãs e traz de volta a emoção vista na trilogia de 77 a 83, diverte os que ainda não curtem tanto, pois é uma obra de roteiro bem escrito, atores e personalidades carismáticas e um filme muito bem feito. O melhor de tudo está para os fanáticos que criam várias teorias para o futuro na nova trilogia, que terão seus filmes lançados em 2017 e 2019.

Han Solo (Harrison Ford) e Leia Organa (Carrie Fisher).
E você já viu o despertar da força? O que achou? Conte-nos. 

Que a força esteja com vocês!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê seu pitaco!