sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

1/52 Álbuns: Para começos e recomeços

Lá no finzinho do finado ano de 2014, listei algumas metas como de costume, entre elas, ver um filme por semana. Não deu certo. Então, lendo o Borboletando, fui apresentada ao desafio 52 álbuns para ouvir em 2015. Achei a ideia genial, além do mais, seria algo muito mais fácil para mim do que ver um filme por semana.  Portanto, toda semana prometo estar por aqui falando de música. Assim espero.

Foi um desafio que caiu como uma luva para mim, amante de música e futura violeira, que ultimamente não ouvia nada mais que Beyoncé e Taylor Swift por puro vício. A ideia é desapegar um pouco das músicas queridinhas e experimentar coisa nova, tirar algumas músicas do fundo do baú e de vez em quando falar dos nossos discos favoritos também. Nunca resenhei música ou coisa do tipo, nem sei por onde começar. Tá aí mais um motivo para aceitar o desafio.

Ah, mas não é uma coisa aleatória não, cada semana tem um tema interessante. O dessa semana é: Para embalar começos e recomeços. Difícil, heim?

Demorei um tempão pensando em algum álbum. Não me vinha nada legal na cabeça, juro! Decidi falar de Pitanga da Mallu Magalhães por causa de Velha e Louca, mas ao ouvir o disco, não lembrei muito de começos e recomeços não. No entanto, sabe que eu até gostei? Quem sabe depois eu não fale dele por aqui?


Porém, ainda não tinha nenhum álbum para recomeçar ou começar coisa alguma. Eis que lembro de Setevidas (2014) da Pitty. Meio óbvio, talvez, mas perfeito para o tema. Pois, para quem não sabe, Pitty não lançava música nova há quatro anos até então, exceto pelo seu projeto paralelo chamado Agridoce. Ela recomeçou da melhor forma possível, com mais disco inédito, o quarto da banda, e talvez o meu favorito. 

Além disso, o disco tem toda essa temática de morte e ressurreição, começo e recomeço, como o próprio nome sugere. Com o perdão da palavra, sempre gostei da Pitty mas nesse álbum ela está muito foda. Em todos os sentidos. Mais madura, mais mulherão. Voltou mais linda e goxtosa do que nunca, diga-se de passagem. E as composições... putz. Desculpem, mas tenho um amor platônico por essa mulher.

Ouvi Pitty dizer em algum lugar que a intenção era fazer um som com jeitão de garagem e elegante ao mesmo tempo. Posso te falar que os meus ouvidos leigos conseguem escutar uma perfeita garagem chique dali. Sobre as letras, algo que me chamou a atenção é que são usadas inúmeras ótimas metáforas em quase todas as músicas. A massa por exemplo, é uma metáfora em forma de música.Talvez seja algo costumeiro dos outros trabalho dela, mas só me chamou atenção agora.


Logo de cara, com Pouco a gente já percebe a vibe melancólica do álbum e assim é na maior parte das faixas, falando muito de vida e morte, alma e tudo mais. O ápice vem com Lado de lá, a mais sentimental e mórbida de todo o álbum, ainda assim, linda. Ela se refere ao suicídio de um amigo dela. "Pra quê essa pressa de embarcar/ Na jangada que leva pro lado de lá?"


Uma das minhas músicas favoritas é Pequena Morte, toda trabalhada na sensualidade, quebrando a tristeza, sexy sem ser vulgar. No entanto, para quem não sabe o que é a tal pequena morte, a coisa pode ficar meio perdida. Pequena morte é uma tradução literal da expressão francesa 'petit mort', que é uma metáfora para o orgasmo. É sobre isso que ela fala o tempo todo, amigos.


Boca Aberta também entra para a lista das favoritas. Assim como A Massa, fala de pessoas vazias, dessa vez sem usar tantas metáforas. Eu adoro porque ela retrata algo de que eu sempre falei, todos têm um grande vazio em busca de algo para preencher. Alguns, mais que outros. "Êta, alma - buraco sem fundo / Que se vive tentando preencher."



Já chegando na penúltima música, Setevidas, música homônima ao álbum, foi o primeiro single que marcou a volta de Pitty. Seguindo a metáfora de que gatos tem sete vidas, nos poderíamos cair e levantar vária vezes, sempre mudando, sendo várias pessoas numa só. Porque é assim que a vida é, não é verdade? Na época foi reconfortante ver o clipe e perceber que a velha Pitty estava de volta, pensei que nunca mais ela voltaria à ativa.

"Agora que eu voltei/ Quero ver me aguentaaaar." Pitty mandando recado prazinimiga. #SeCuidaAnitta. Brincadeirinha, pessoal.



E para fechar com chave de ouro, Serpente. A música que define o álbum e, contraditoriamente, é a mais diferente dele. Ela tem uns coros, mantras, influências da música baiana, uma pegada mais zen. Não sei porque, mas me faz lembrar da Pitty de Agridoce. Sem dúvidas, a melhor do disco. 

Setevidas é pra colocar no repeat enquanto junta os caquinhos de 2014 para um belo recomeço em 2015.

Chega dessa pele, é hora de trocar.

Ficha Técnica:
Setevidas (2014) 
Melhor música: “Serpente”
Pior música (ou a menos menos boa): “Um Leão”
Não deixe de ouvir: “Setevidas”, “Pequena Morte”, "Boca Aberta" e "Lado de Lá".
Por que você deveria ouvir?: Pitty é a salvação do rock brasileiro, ainda que alguns achem que ela passa longe disso. Se você não gosta da Pitty antiga (louco), experimente a nova, mais madura e chique, não deixando de lado o seu som de garagem, tudo isso com letras incríveis. Não achou suficiente? Tô viciada nele e é o meu favorito dela até agora. Beijos!

E o tema da semana que vem é... O álbum favorito do seu melhor amigo. Me ferrei.


quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

6 on 6 (1/15)

Eu sou mesmo um péssimo exemplo. O primeiro 6 on 6 do ano e eu já estou dois dias atrasada. Parabéns, Alice! Tá, acho que vou ter que dar uma explicação. É o seguinte, deixei tudo para a última hora, nessa procrastinação toda, ontem o dia foi cheio. No entanto, hoje eu tive o privilégio de passar o dia em casa, sozinha e sossegada, o que fez com que as fotos ficassem um tiquinho melhores. Err, mais ou menos. Bom, de algumas eu realmente gostei, outras nem tanto... tirem as suas próprias conclusões.

O tema do mês é hobbies. Não achei um tema muito difícil mas todas as ideias que eu tinha iam por água abaixo porque não eram fotos que eu podia clicar na "tranquilidade" da minha casa e sabemos que sair por aí com uma câmera na mão não é nada seguro. Então eu fiquei sem saber o que fazer até que coloquei a cabeça para funcionar e descobri inúmeros hobbies além de um monte de ideias para fotografar. Todas as fotos eu tirei sozinha com a ajuda de um tripé, o que por um lado ainda é meio difícil pra mim. Eu vou pegar o jeito. Enfim, vejam


1 Eu amo cantar! Sério, é algo que eu simplesmente sou apaixonada, quando eu era criança até queria ser cantora, hihi. Meu pai (sempre ele...) era cantor de barzinho na juventude, tocava violão, fazia cantorias com os amigos da rua, essas coisas. Depois ele ficou meio enferrujado e até desaprendeu a tocar violão, mas ainda assim continua apaixonado por música e canta pelos cotovelos, assim como eu. Inclusive, aprendi isso com ele brincando de karaokê. Eu não sou lá muito boa nessa coisa de cantar, porém, quando não tem ninguém em casa, eu pego o microfone e faço um show particular para a minha imagem no espelho.


2 ♥ Da série: coisas que eu faço quando não tem ninguém olhando. Dançar, assim como cantar, é uma das melhores coisas da vida. Eu costumava pôr os DVDs da Beyoncé, Shakira, Rihanna (até Calypso, numa fase bem obscura da minha vida, hihi) e ficar dançando em frente à TV. Não que muita coisa tenha mudado desde então, faço o mesmo dando a desculpa que é para "ficar em forma". Mentira, eu gosto de fingir que sou uma diva mesmo.Não soube muito bem como representar a dança em fotos, mas quando eu vi essa sandália, lembrei um pouco de sapatilhas de balé por causa das fitas. Entretanto, a foto também me remete a uma mulher arrumando-se para sair, o que não deixa de ser algo que eu goste de fazer: me produzir e me sentir linda. Porque pra mim no final essa acaba sendo a melhor parte.


3 ♥ Esse item é meio redundante. Todo mundo ama ouvir música. Alem do mais, já falei que amo dançar e cantar, dizer que gosto de ouvir música é bem desnecessário. Sim, eu amo ouvir música. Vamos para o próximo.



4 ♥ Eu não gostei dessa foto. Minha pele está estranha, tem um mosquito na cortina, minha cara está gorda e minha expressão está estranha. Pra piorar, enquanto tentava tirar fotos equilibrando os livros na cabeça, O Livro Da Filosofia caiu de lá de cima, se espatifou no chão e agora está dodói. Ou seja, nada deu certo. Depois que o livro caiu, eu desisti e essa foi a foto melhorzinha que consegui. Adoro ler, preciso de livros novos e não quero mais falar dessas fotos para não lembrar do livro que deixei cair, beijos.


5 ♥ Acho que poucas pessoas sabem, mas eu gosto muito de desenhar. Não é algo que eu faça muito bem nem com a frequência que eu gostaria, ainda assim, é algo que me inspira muito. Acho que isso começou quando eu desenhava roupinhas com as minhas amiguinhas na segunda série, depois decidi fazer moda e continuei desenhando meus croquis até perceber que não nasci pra isso. Continuo gostando de moda, fazendo meus traços de vez em quando, treinando para ver se melhoro, mas é só por passatempo mesmo.



6 ♥ Por último e não menos importante... fotografia! Fotografar, ser fotografada, tirar foto de mim mesma, da câmera ou do celular, em casa ou em algum lugar novo, adoro. A ideia de registrar os momento pra mim é tão fascinante quanto surreal embora comum. O que me frustra bastante é justamente não poder sair pela minha cidade, aquela que amo e odeio de todo o coração, a Maceió linda e problemática em que eu nasci, por medo. Melhor parar por aqui, isso não é um Cidade Alerta da vida. Outra frustração é justamente não conseguir ter boas fotos dos melhores momentos. É um verdadeiro carma da minha vida. Nossa, eu falo demais. Bom, eu amo fotografia e isso é óbvio, senão eu não estaria participando de um projeto como esses.






6 on 6 é um projeto em que 6 blogueiras postam 6 fotos no dia 6 de cada mês durante 12 meses. 

Legal né? Vejam as fotos das outras blogueiras:





domingo, 4 de janeiro de 2015

2014: uma foto por mês

Decidi ser egocêntrica no projeto fotográfico proposto pelo Rotaroots. A ideia era o seguinte, resumir seu ano em 12 fotos, postar e seja o que Deus quiser. Só que tem um problema. Meu ano não foi dos melhores, não estive lá muito inspirada na maior parte do tempo. Céus, as pessoas já não aguentam mais me ouvir reclamar, e para falar a verdade, nem eu estou aguentando.

Bom, percebi que a maior parte das fotos tiradas por mim nesse ano foram selfies (por mais que eu odeie de todo o meu coração essa palavra) e fotos da minha cara em geral. É por isso que resolvi padronizar o negócio e escolhi uma foto por mês só que do meu próprio rosto. Ok, ok, deve ser meio chato ver a Alice X 12 mas o blog é meu e eu faço o que bem entender.

Outra coisa, eu deveria ter postado isso no dia 31. Porém o meu atraso é regra.

Well, guys. Enjoy. It's just me, myselfies and I.

Desculpem o trocadilho, não resisti. hihi



♥ Janeiro


Por incrível que pareça, eu não tenho uma foto sequer da minha noite de ano novo, que foi num hotel em Foz do Iguaçu. Tinha tudo para ser uma chatice, e no final, foi super engraçado. A propósito, eu deveria falar dessa viagem por aqui. Fico devendo essa. 

Bom, depois que voltamos (de carro) para Maceió, ainda deu tempo de aproveitar um pouquinho as férias por aqui também. Pouco antes da volta às aulas, fui a uma casa de praia no Francês com umas tias e primas, onde tirei essa foto. Eu havia acabado de acordar depois de uma noite de sono numa barraca de acampamento. Foi super legal pra mim, porque eu nunca acampei, e dormir no jardim da casa foi quase isso. Eu e minha prima parecíamos duas crianças brincando de cabaninha, haha.



♥ Fevereiro

Tirei essa foto em algum lugar de Salvador. Fomos pra lá com uns tios e primo ver o show do Elton John e aproveitamos para conhecer a cidade. Quer dizer, eu fui para ficar com a minha irmã, mas no fim minha mãe me deixou ir no lugar dela, haha. Infelizmente não aproveitei tanto a viagem porque no primeiro dia eu estava bem doente. Nem conheci o Pelô, nem fiz aquelas trancinhas de baiana. Fica pra próxima!

Ah, e sobre o carnaval, o meu se resumiu em tentar ganhar dinheiro vendendo sanduíche na praia. Também teve um "trote" no colégio em que eu me vesti de homem (os meninos se vestiram de meninas), mas como é só uma foto por mês...



♥ Março

Eu não lembro exatamente nada do mês de março. Essa foto a minha prima tirou de mim num bar da praia de Ponta Verde e eu gostei. É isso.



♥ Abril


Também não lembro muita coisa sobre Abril. Tirei essa foto quando cheguei em casa do colégio porque tivemos que fazer um trabalho de sociologia sobre tribos. Isso aí era para ser uma hipster. Pareço hipster?



♥ Maio


Let the games begin! hohohoho. Maio foi o mês dos jogos internos do meu colégio (perdemos) e posteriormente, da competição de dança (perdemos). Gente, me apresentei no maior teatro da cidade, tá? Amei tanto aquilo, que por mim, entraria naquele palco todo santo dia. O problema é que não sei dançar, nem cantar, nem atuar... e aí, faz como? Essa foto eu tirei no camarim assim que acabaram de fazer meu cabelo e maquiagem. Ah, o tema era anos 90. Ficamos em último lugar, mas foi legal.



♥ Junho


Sim, teve copa. Céus, que saudade da copa. Tirando os problemas, que todos nós já conhecemos, aquilo foi maravilhoso! We were one, baby. Fui a um jogo da Alemanha em Fortaleza e foi suuuper legal. 

Vou contar pra vocês, eu quase nem viajei porque peguei uma puta de uma briga com o meu pai antes de ir para a rodoviária (o nosso voo era em Recife). Ele implicou porque estávamos levando "coisas demais" e eu bati o pé porque não estávamos não. Não sei porque estou expondo isso, não é algo do que eu gostaria de me lembrar daqui há 10 anos quando voltar ao blog para matar a saudade mas enfim, eu tô afim de contar. Foi um barraco daqueles. No meio da rua, muitas lágrimas, gritos, vizinhos olhando pela janela, casaco novinho da Alemanha sendo jogado no chão... Pois é.

Não quis mais viajar nem nada mas a mãe acabou me convencendo. Eu ainda estava muito puta com o meu pai porém não tinha como ficar daquele jeito por muito tempo não. É entre tapas e beijos mesmo, sempre foi assim e sempre vai ser. O único problema é que não pude levar a minha câmera porque ele achava que seria muito peso para carregar, ou seja, sem muitas fotos. Só tínhamos dois Galaxys com câmeras péssimas e uma filmadora igualmente ruim. Depois ele confessou estar arrependido por ter deixado em casa tantas coisas importantes. Chupa, eu tinha razão. haha.

Quantas palavras desnecessárias para o mês de junho. Bom, ainda sobre a viagem, passeamos pela orla de Fortaleza, fomos à Fan Fest, conversamos com gente do mundo inteiro, fomos confundidos com gringos, dormimos uma noite no aeroporto por falta de hotel, e por último e não menos importante, fomos ao jogo!

No entanto, junho não se resume a esse fim de semana não. Nos jogos do Brasil, sempre tinha uma festinha familiar para ir. Cá pra nós, a que rolou aqui em casa foi a melhor. Além da família, também chamei uns amigos pra cá. Depois da partida, teve música ao vivo no bar aqui da frente, ficamos dançando e foi bem legal.

No fim, acho que junho realmente se resume à Copa do Mundo. Saudades.

Ah, essa foto eu tirei no estádio, durante o jogo da Alemanha.



♥ Julho


As únicas coisas que posso me lembrar sobre julho também são sobre a copa do mundo. A começar pelo 7x1... Não teve festa, mas alguns tios meus vieram ver o jogo aqui em casa. Foi engraçado porque a cada gol uma pessoa ia embora. Não sei em que gol eu subi para o computador, mas de qualquer forma, foi engraçado. Coloquei umas músicas disco pra tocar, dancei e zoei muito no twitter. Por mais que eu gostasse da Alemanha, é claro que eu torci pelo Brasil por motivos de: se fôssemos para a final, imagina a festa?

Porém não fomos. De qualquer forma, torci muito para a Alemanha na final, embora ela tenha sido decepcionante. O problema não foi o jogo em si, mas o local onde estávamos. Cadê a festa, galera? Tava tão desanimado que larguei a TV e fui tomar banho de piscina. Podem me chamar de poser, mas na verdade eu não gosto de futebol, gosto de festa. Aí a Alemanha ganhou e não teve festa.

Ainda assim, foi legal. Tirei essa foto antes do jogo, no restaurante onde almoçamos. A qualidade definitivamente não está lá essas coisas, mas o que importa é que eu gostei. Tirei com a câmera frontal do iPhone do meu pai e essa luz ajudou a piorar a situação. Por outro lado, adoro quando o sol dá esse efeito na foto. E como eu já disse, o que importa é que eu gostei.

Embedded image permalink

♥ Agosto

Sem muitos comentários sobre agosto. Tirei essa foto numa apresentação da escola sobre o folclore. Na verdade, foi uma reapresentação de parte daquela dança do mês de maio. Dançamos lambada, pagamos mais um mico e mais uma vez foi divertido. Fim.

Lembrei de outra coisa. Exatamente no dia 23 de agosto, abandonei o meu celular. Era um galaxy antigão que herdei do meu pai quando ele comprou o iPhone dele. O pessoal me chamou de louca, outros disseram ter vontade de fazer o mesmo. Eu já estava de saco cheio daquilo, aí meus pais pegaram no meu pé e eu simplesmente falei: "toma, fica pra você". Claro que eu coloquei uma senha para ninguém ver nada, o que foi um problema depois... Aproveitei e larguei a internet de forma geral.


♥ Setembro


O que fiz em setembro? cri cri cri. Eu estava sem celular, sem internet, afastada de qualquer tipo de tecnologia (queria até tirar a TV do quarto) então não tenho fotos nem nada.

Ou melhor, eu achava que não tinha. Eu fucei o meu computador até achar algo do mês de setembro. E achei. Essa foto nada mais é que a prova de um crime, ou quase. Estava sozinha em casa quando a luminária caiu do nada. Então peguei a câmera e fotografei tudo para mostrar aos meus pais quando eles chegassem porque senão eles colocariam a culpa em mim. No fim, eu nem achei as fotos tão ruins assim, lembrei de Skyscraper da Demi, sei lá.



♥ Outubro

Como não tinha uma foto minha sequer em de outubro, tive que quebrar a regra. A minha amiga Karina clicou essa foto no dia em que cantei no festival de música da escola. Mais um mico para a lista. Enfim. Esse daí é o Rob, que cantou comigo mais outros dois amigos. Postei essa foto no instagram, pensaram até que eu estava ficando com ele, haha. Na verdade, estávamos apenas brincando de editorial da Vogue, galera. Pelo jeito não deu muito certo né?

Meu celular ainda estava intocado, porém, por causa de um trabalho ridículo, fui obrigada a voltar a usar a internet. Bleh.



♥ Novembro

Mês de ENEM, provas finais, início de férias... Sobre o ENEM, fui treineira esse ano, fiz uma prova ok, uma redação péssima e já estou nervosa para o ano que vem. Sobre as provas finais, eu faltei duas provas, depois soube que não poderia fazer segunda chamada, e para ser sincera, não estava nem aí para elas porque eu não precisava de muitos pontos para ser aprovada. E sobre o início das férias, passei direto e estou vegetando em casa desde novembro.

Sobre a foto de péssima qualidade, tirei porque simplesmente estava me sentindo linda neste dia. Algum problema em se sentir bonita? Fui à confraternização do trabalho do meu pai numa boate daqui. Pois é, para quem não põe a cara para fora de casa, você se anima até para uma festa onde não tem ninguém a ver contigo. Espera, vou escrever sobre isso.

Só para lembrar, eu ainda estava sem celular, só que dessa vez não foi por livre e espontânea vontade. No segundo dia do ENEM, cheguei em casa e resolvi reativar o meu celular. No entanto, a senha que coloquei foi tão segura, mas tão segura, que nem eu sabia mais qual era. Resultado, nem a conta do google pegava, nem o botão que aperta para resetar pegava... perdi o celular.


♥ Dezembro

Dezembro geralmente é um mês animado. Meu aniversário, natal, ano novo e afins. Já falei sobre o meu aniversário por aqui, não é uma coisa da qual eu gostaria de falar de novo. Sobre o natal, também não tenho muito o que dizer. No réveillon fui à uma festa num bar perto da praia com os meus pais e meu avô. Eu não estava muito empolgada, não foi ruim, mas sei lá... Bom, tá aí outra coisa da qual eu não tô afim de falar agora.

De qualquer forma, nesse mês ganhei uma bicicleta linda e herdei o iPhone do meu pai, pondo fim ao meu então jejum de celular. Foram quase quatro meses sem celular. E quer saber? Foi tão bom. As vezes até quero fazer isso de novo. E pode ter certeza que daqui para o fim de ano farei. Por outro lado, tirei bem mais fotos com o meu iPhone "novinho", o que foi legal.

No entanto, por mais que eu tenha tirado fotos melhores nesse mês, a escolhida para dezembro foi justamente essa por ter sido a última do ano.


E é isso. Adeus 2014.