sábado, 18 de julho de 2015

Aranha fantasma

spidernet
Imagem
Ou sou convencida demais ou estão aprendendo a viver sem mim. Pelo visto o intensivão de sete dias está dando resultados para alguns - ou para todos, quem sabe. Não que essa seja a primeira vez que corto os fios da minha teia, só que agora é diferente. Sou uma aranha fantasma que ri e chora da tragicomédia que criou sobre ela mesma, como alguém que se esforça para fazer a vida ser digna de ficção. Bem típico de uma aranha que se acha a tecedeira de palavras.

Meu adeus é tão melancólico quanto cômico. Observar o mundo do lado de fora pode ser bem engraçado, principalmente, quando, esporadicamente, falam de você. Confesso que já esperava ouvir alguma coisa e até me decepcionei pela demora. Mas em mim eles pensaram que eu sei. Alguns pensam até hoje. Vou até ser otimista e pensar que meu nome está na mente de alguém neste exato momento. Não sei o que estão pensando, mas em algum momento, em mim pensaram. 

Olha só, fiz até contato com uma médium. Ou melhor, fui obrigada a isso, já que foi ela que fez contato comigo. Nem todo mundo tem medo de fantasmas. Ela queria saber o que aconteceu comigo. Todos queriam saber, segundo ela. Fiquei tão surpresa quanto feliz, e com saudades. Porém, só pude dar respostas incapazes de responder qualquer coisa. Espíritos não revelam como é o lado de lá.

Imagino se vai ser parecido quando eu morrer de verdade. Se eu vou ter a oportunidade de ver a reação das pessoas, de me meter onde não sou chamada, ver meu corpo cheio de flores num caixão e saber o que cargas d'água vão fazer com ele. A propósito, vou logo dizendo que quero que doem até o último fio de cabelo para a ciência. Se não servi para nada em vida, espero ser útil ao menos na morte. Só tenho certeza de uma coisa. Na boa, não vai ser tão difícil aprender a viver sem mim.

Mas deixar o mundo é bem diferente de deixar a rede. Por enquanto, posso remendar meus fios a hora que eu quiser. Acho que eu nem precisaria dar muitas explicações porque na verdade todos sabem da minha sanidade mental questionável. No entanto, é justamente isso que me deixa um pouco menos louca. Me desligar, vez ou outra. E foi só isso. 

O drama cômico foi sem querer, sem motivo, sem necessidade, mas me divertiu. Peço desculpas por isso.

Segunda-feira 46 médiuns me invocaram e eu vou ter que aparecer. Desejem-me sorte. Querem me remendar.

2 comentários:

  1. Heey!
    Meu Deus, você escreve tão bem ♥
    Parabéns pelo texto, ficou excelente!
    http://desbravando-o-infinito.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Dê seu pitaco!