quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Apaixonada por palavras - Paula Pimenta


Nunca havia lido nada da Paula Pimenta, a escritora queridinha do momento, autora das séries "Fazendo Meu Filme" e "Uma Vida Fora de Série", mas estava muito curiosa para ler suas séries e também seu livro de crônicas, "Apaixonada Por Palavras". Vou falar um pouquinho desse último.

Tem capa mais linda que essa, com M&Ms de letrinhas, fontes em vermelho e azul e o detalhe sutil da  crônica título ao fundo? Sei não, só sei que antes mesmo de me apaixonar pelas palavras da Paula, me apaixonei pela capa do seu livro.


O livro tem muitos detalhes encantadores. Como a data da escrita do texto embaixo do título, o coração rosa no fim dos textos e um trecho destaque por texto, com uma fonte mais fofa e rosa. A propósito, a fonte é bem legal, e apesar das páginas serem brancas (acho que todos os livros da Paula tem páginas brancas, correto?), acho que combinou bem com o resto do livro, que está perfeito assim mesmo.


Na orelha do livro, Eduardo Loureiro Jr., editor do site Crônica do Dia, site que Paula era colunista, falou que ela era apaixonante por meio das palavras e eu tenho que concordar. Na introdução, Paula fala que aprendeu que para fazer uma boa crônica não basta narrar um fato e opinar sobre ele, mas é preciso usar uma lente de aumento, colorir os acontecimentos do dia a dia, para que eles possam despertar emoções, causar reações. Objetivo alcançado com sucesso! É realmente uma leitura muito gostosa, e é muito legal notar toda a evolução dos textos de Paula desde 2000 a 2009.



Acho que gostei mais das crônicas iniciais, minhas preferidas foram "Regresso da Ilusão", "Para cada beijo, uma boca", "Início de paixão", "Gorducha, baixinha e dentuça", "Regime sazonal", "Nossa verdade", "Blecaute", "Oh, dúvida cruel!", "Demoníaca fábrica de chocolate", "Ausência presente", . Me identifiquei muito com "Quase uma chance", "Sem fio, sem charme", "Inveja transparente", e "Apaixonada por palavras".



As vezes eu discordava das opiniões de Paula, como em "Prioridades". Eu gosto e desgosto desse texto. No começo ela fala da injusta vida das mulheres dos tempos da vovó, falando que as pobres coitadas tinham um futuro certo: casar. "Para que escola, faculdade, pós e mestrado, se no dia seguinte ao casório elas já ganhavam um diploma fresquinho para dependurar na parede? 'Dona de casa com louvor!'" E quando casadas, tinham que seguir o marido para onde quer que ele fosse, sem direito de dizer não. Até aí eu concordo. Então ela começa a falar das mulheres modernas que muitas vezes preferem o emprego ao amor e dizendo que para ela, não seguir o amor, mesmo que não seja sua vontade, é uma prova de que você não o ama. Paula Pimenta que me desculpe, mas eu discordo totalmente do fim do seu texto. Discordo tanto que talvez até escreveria uma uma crônica só para discordar dela. 



Mas discordar não é um motivo para não gostar do livro. Descobri pelas suas palavras, que Paula Pimenta é extremamente tímida, romântica, e por vezes, também é antiquada demais para o meu gosto.  O maior defeito desse livro: é fino demais! Quero me apaixonar por novas palavras da Paula Pimenta, me identificar e discordar, e quero já!

Quem aí já leu "Apaixonada por Palavras" ou outro livro da Paula? Contem, contem!

domingo, 27 de janeiro de 2013

Discovering Europe: Frankfurt e a volta


Para a alegria de algumas, e a tristeza de outras, a série de posts da minha viagem à Europa, vão acabar agora. Até que enfim! Mas vou confessar que vou morrer de saudades de postar o meu diário de viagem por aqui. Quer dizer, era uma forma de ainda continuar apegada com aquele sonho que comecei a realizar no dia 29 de Abril de 2012 e terminei no dia 3 de Maio do mesmo ano. Quando peguei pela primeira vez um avião para uma terra que só conhecia pelos livros, que eu não imaginava ir tão cedo. 

Em Paris, depois do dia que fui para Versailles, Louvre e Montmartre (post aqui), no outro dia, fui para o Museu Aeroespacial e fui para a Galeries Lafayette. Foi o dia oficial de compras (o penúltimo dia de viagem) e como estávamos aperriados para levar os presentinhos que tínhamos que trazer, acabamos comprando mal e caro. Realmente nos enrolamos no quesito compras, mas fica o aprendizado. A propósito, não comprei muita coisa, mas vocês gostariam de um post (ou vídeo) do que eu trouxe de lá?


Fizemos a nossa última viagem de trem, de Paris para Frankfurt, num ICE e foi bem triste cair a ficha de que tudo aquilo que estávamos vivendo acabaria em um dia. Meu pai até gravou um vídeo bem emocionante e deu aquela vontade de chorar, mas foi só vontade mesmo.


Chegamos na estação do aeroporto de Frankfurt (essa belezinha aí) e pegamos um taxi para o hotel, que era bem pertinho do aeroporto. Por mim, sinceramente, eu ficaria no hotel descansando. Até parece que sou a velha não é? Mas meu pai insistiu em ir passear pela cidade, então fomos. 


O problema foi que nos perdemos, sabe-se lá como, com os trens, e fomos parar num lugar afastado da cidade. Só depois de um nó danado, conseguimos parar na estação central de Frankfurt, de lá, fomos passear pelo centro financeiro da Alemanha.



Fomos andando sem muito destino, até parar num fuzuê desses. Aquelas coisinhas típicas da Alemanha que a gente adora.



Andando mais um pouco, encontramos uma parte mais moderna da cidade. 


Eu estava bem feinha neste dia, só coloquei minha foto para marcar presença, haha.


Não sei para vocês, mas encontrar uma Ferrari andando nas ruas é um bom motivo para uma foto.


Sabe, adoro esse hábito que os europeus tem de relaxar nos parques. Eu iria amar se tivessem parques em Maceió. Para dar uma corridinha, andar de bicicleta, fazer um piquenique...


Encontrar uma limusine também é um bom motivo para uma foto!



Pegamos o trem de volta para o aeroporto, quando oficialmente andamos de trem na Europa pela última vez.


Olha a minha cara de tristeza!


No outro dia, acordamos cedinho, umas 6 da manhã, para nos arrumarmos e voarmos às 9. Tivemos problemas com o excesso de bagagem. Não podemos despachar tudo, pagamos uma boa multa, e ainda tivemos a nossa bagagem de mão revistada por conta dos líquidos! A alemã que revistou ainda me deixou ficar com a maioria dos líquidos que tinha, só perdi um frasco de leite para pentear. E apesar dos problemas, logo viajamos rumo ao Brasil.



Essa foi oficialmente a última foto que tirei na Europa.

Depois de umas 12 horas dentro de um avião, chegamos às 15 horas em Salvador. E o pior é que o nosso voo para Maceió, só ia sair lá pela meia-noite. Ficaríamos um tempão tentando arrumar o que fazer. Mas o pior não é isso.

Meu querido Papai, tão inteligente, comprou a passagem para a meia-noite do dia anterior! Ou seja, perdemos a viagem, e o valor da remarcação era muito alto. Ficamos sem saber o que fazer. Meu pai até cogitou alugar um carro para ir para casa, mas no final acabamos comprando uma passagem um pouco mais barata em outra companhia aérea, 1 hora depois do voo previsto.

Foram quase 10 horas procurando o que fazer no aeroporto de Salvador. Até que enfim voamos para Maceió, bem rapidinho. Minha mãe, irmã e tio foram nos buscar. Malas no carro, beijo e abraço. Deixamos meu tio em casa e voltamos para o nosso lar.

Mortos de cansados, mas não ficamos quietos. Começou o ritual de contar histórias, mostrar fotos e abrir presentes. Fui dormir quando o céu estava naquela cor laranjinha de amanhecer. Faltei aula no outro dia. Faria diferença um dia depois de faltar mais de um mês? Depois, é claro que voltei à escola. Alguns segundos da novidade da volta e tudo volta ao normal. Logo me atualizaram sobre o que estava rolando. E eu tagarelei, tagarelei, e tagarelei sobre o que aconteceu.

Vi em um documentário de um mochileiro que a euforia da volta só dura os três primeiros dias, no máximo. E é verdade. Depois não há mais nenhum presente para entregar, nenhuma foto nova para mostrar e acabam até as histórias. Aí ficamos só querendo viver tudo novamente.




Sabe aquelas fotos bem feias que significam muito para você? É essa.

Depois de um tempão que já voltei, acabo por aqui essa série de posts. Desculpem os detalhes, só quero deixar por escrito enquanto ainda lembro, embora seja quase impossível esquecer. Espero ter muitas outras viagens para contar tudo para vocês. Vou pensar em outras formas em deixar a categoria viagem sempre atualizada, ok?

Acabou! E aí, vocês gostaram do meu diário de viagem?

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Esse ano eu vou...


Por mais que eu ache muito besta essas coisas de simpatias de ano novo, como se vestir com a cor que vai te trazer o que você quer, ou sei lá, escrever num papelzinho o que quer no ano e jogar no mar para conseguir, e por mais que no último mês vocês estejam cansadas de ver textos de retrospectivas e listas de resoluções, eu não pude deixar de postar os meus objetivos para esse ano.

Eu adoro fazer listas de metas e objetivos. Acho que assim a gente pensa mesmo no que quer e fica mais determinada a correr atras. Ano passado também fiz uma dessas listinhas e consegui pelo menos riscar duas coisas. É pouco, mas é melhor que nada. Será que esse ano eu consigo?

Talvez eu esteja um pouco atrasada, me enrolei em umas coisas e coloquei outros posts na frente desse, mas é isso aí. Meus 10 objetivos para 2013.


 Fazer exercícios

Odeio fazer exercícios. Tenho um pequeno trauma com esportes, pois quando eu entrei no handebol uns quatro anos atras, eu era muito zoada pelas meninas mais velhas que treinavam comigo. Era a mais nova, pior do grupo, não sabia nem quicar a bola direito. Comecei a faltar e deixei para lá. Tive que fazer educação física, mas nunca aparecia na aula, e depois de ficar em recuperação por faltas, meu pai começou a me obrigar a ir. Mas exercícios ainda são um problema para mim. Porém, apesar de estar feliz com a aparência do meu corpo, eu estou sedentária demais. Qualquer andadinha eu canso, fico ofegante, e isso não está certo. Juro que percebi uma melhora quando eu estava viajando, pois eu andava muito mais que o meu normal em Maceió, mas tudo voltou como era antes quando voltei. Não é a minha prioridade número um do ano, mas é uma coisa que eu tenho muito que fazer. O problema é descobrir como. Não gosto de caminhar (nem tenho companhia para isso), amo andar de bicicleta (mas não tenho uma), não posso entrar na academia (nem quero), não posso fazer aula de dança (mas amo dançar), e me recuso a fazer esportes na escola novamente. Vai ser difícil...


 Fotografar mais

Não sou nenhuma expert em fotos, mas adoro fotografia. Estou sempre tentando tirar uma foto de um jeito diferente, mexendo na câmera, testando ângulos (meu pai odeia isso, haha). Ainda sou a fotógrafa oficial da família (por isso nunca apareço nas fotos). Não que as minhas fotos sejam legais, mas eu tento. Ano passado, meu pai comprou uma semi-profissional da Sony em Berlin e eu me empolguei ainda mais. Não sei se vocês estão percebendo, mas eu estou procurando sempre colocar fotos minhas nos posts. Então, esse ano eu pretendo tirar mais fotos, treinar o meu "olhar fotográfico" (se é que eu tenho um). 


Estudar, estudar, estudar

Aposto que em quase todas as listas de resoluções de ano novo de estudantes, sempre tem algo do tipo "passar de ano", "não ficar em recuperação", ou sei lá, "estudar mais". Eu até que sou uma nerdzinha, não bagunço muito, faço a maioria dos deveres, anoto o que eu acho que vai ser importante, aprendo com facilidade, porém eu tenho um grande problema, gosto de estudar, mas eu só estudo o que gosto, o que quero. Sei que essa molezinha não vai durar para sempre, e sei que apesar de não entender porque cargas d'água tenho que quebrar a cabeça para aprender química, biologia e física (que para mim não é tão fácil e legal como história, geografia e redação), já que eu não vou fazer NADA relacionado a isso. Enfim, quem sou eu para modificar o sistema de ensino, não é mesmo? O jeito é colocar a cabeça nos livros no início do ano, para não haver problemas depois. Sempre fico com um medinho no início de um ano, mas no final tudo dá certo.



♥ Ser mais organizada

Eu não sou a mais desorganizada do mundo, mas as minhas coisas (e a minha vida!) precisam de uma geral. Acho que o meu maior problema é não saber organizar meu tempo e me enrolar demais no que eu quero ou preciso fazer. É principalmente por isso que me enrolo por aqui e não consigo manter o blog atualizado como eu gostaria. Decidi que precisava me organizar melhor, principalmente depois que vi esse post no blog Morando Sozinha, que mostra como organizar a vida com um caderninho. Achei genial e decidi tentar, porém ainda não coloquei a mão na massa. Ah, mas uma coisa que já fiz e está me ajudando bastante, é um muralzinho de lembretes na parede da escrivaninha. Junto com uma agenda, a organização do meu tempo já está um pouco melhor, e o legal é que não dá para você esquecer, pois fica bem a mostra. Fica a dica para vocês também.


 Ler 18 livros

Eu amo ler. Me inspira, melhora minha escrita, me relaxa, me "leva" para outros lugares, para "conhecer" outras pessoas. É tudo de bom! É claro que nem sempre dá par ler todos os livros que quero, tanto porque não posso comprar uma livraria inteira, e também por causa do tempo. Ano passado eu tinha uma meta de 12 livros por ano e alcancei. Agora decidi aumentar um pouquinho. É bom para me incentivar. Tenho um trato com a minha mãe, todo mês eu posso trazer um livro junto com a feira, então só vai ficar faltando quatro. Eu consigo.


 Manter meu diário

Eu sei que tem gente que vai pensar que ter um diário é uma coisa bem infantil e besta, mas não é. É uma forma de repensar um pouco na sua vida a cada vez que pegar no papel e mandar ver com a caneta, melhorar a escrita, e ainda dar muita risada em tempos futuros, lendo o que você escrevia. Já tentei manter um diário várias vezes, mas eu sempre deixava ele de lado e ia dormir. Quero manter o meu novo diário firme, forte e atualizado. Só decidi que dessa vez só vou escrever quando acontecer algo que eu queira registrar. Algo muito legal que aconteceu comigo, ou sei lá, uma coisa tensa que me faça querer desabafar um pouco. Para melhorar isso tudo, ainda vou escrever em inglês, justamente para exercitá-lo (e de quebra, vou saber que nem todo mundo vai entender, haha).


Levar o blog mais a sério

Não que eu já não levasse vocês a sério, mas eu percebi que eu preciso dar um upgrade no Pequena Aventureira em 2013. Também não é que eu queira tornar o blog famoso do dia para a noite, nada disso. Eu quero dar uma organizada aqui. Mudar o layout, manter a frequência de pelo menos quatro posts por semana, divulgar mais, procurar sempre colocar fotos minhas nos posts e essas coisas todas. Ah, eu gostaria muito de postar vídeos. E até já gravei uns, mas ainda tenho que trabalhar com a minha timidez, haha. Na verdade não é nada muito novo ou diferente, só estou querendo melhorar o blog que vocês já conhecem e fazer outras pessoas conhecerem também.


Estudar alemão

Sempre tive planos de saber mais de uma língua estrangeira, mas desde o ano passado, quando conheci todos aqueles lugares incríveis e ouvi tantas línguas diferentes, a minha vontade aumentou ainda mais e eu percebi que 2013 era um bom ano para aprender outro idioma. A minha maior vontade é aprender alemão, porque eu amei a cultura da Alemanha, as pessoas, a organização, e além da língua ser super legal, é um pouco complicada, o que é um desafio. Conversei com os meus pais e eles concordaram em me colocar no curso, falta mesmo eu procurar me matricular. Estou adiando isso há um tempo, e confesso que apesar de estar com muita vontade de aprender alemão, estou com medo de não dar conta do recado. Acho que não vou mais entrar no curso, mas vou me organizar para estudar pela internet e por uns livros da época que meu pai fazia alemão (faz um tempão...). Algo que eu já faço, mas confesso que não regularmente. Talvez eu apele para o Francês, que é legal e parece mais fácil, mas vou tentar pelo menos ter uma noção da língua alemã.


Colocar aparelho

Meu problema dentário é antigo, acho que tenho dentes tortos desde que mudei os dentes de leite. No início eu nem me importava, nem chamava tanta atenção. Mas depois começaram a vir as piadinhas chatas com os meus dentes e eu praticamente parei de sorrir mostrando os dentes nas fotos. Já quero colocar aparelho há muito tempo e resolver logo esse problema, mas como o nascimento dos meus dentes é atrasado, eu tinha que esperar que todos eles caíssem, o que aconteceu só ano retrasado, eu acho. O problema: a minha dentista pediu a panorâmica, e desde o ano passado eu venho adiando, adiando e adiando. Esse ano eu não posso adiar, tenho que fazer isso logo.


Ganhar dinheiro

Fora colocar o bendito aparelho, arrumar uma forma de ganhar uns trocados é a minha maior prioridade esse ano. Como já falei por aqui, quero fazer um intercâmbio de um mês ano que vem, como presente de 15 anos, e no início a ideia era juntar uma graninha só para isso mesmo. Mas eu comecei a pensar melhor e decidi correr atras do intercâmbio de seis meses ou um ano, mesmo que demore mais um ano do que o outro para acontecer. Quer dizer, eu tenho várias barreiras para superar para ganhar esse presentão, como convencer a minha mãe, e o mais difícil, ter a grana para viajar. Estou sendo bem ambiciosa com isso, eu sei, mas decidi correr atras, pelo menos. Se eu não conseguir não tem problema, estou totalmente preparada para ouvir um não, e estarei muito mais do que feliz com o intercâmbio curtinho mesmo. É claro que eu sei que eu não vou ganhar grande coisa, e arrumar uma forma de ganhar esses trocados é mais quinhentos, pois eu não posso trabalhar e não sei fazer exatamente NADA. Sei que mesmo assim estou decidida e motivada a aprender alguma coisa, principalmente agora, que a minha mãe entrou para o ramo de venda de roupas e eu fico ajudando. Queria até arrumar uma boa forma de me aproveitar disso, haha. Vender brigadeiro, bolo, shambala, avon, caixinha decorada, acarajé, ser repentista na praia, fazer malabarismo no sinal, tô topando tudo! Só que não.


É isso gente. Eu tento ser mais realista, mas eu sempre viajo um pouco. Sinceramente, até eu duvido que vou conseguir fazer isso tudo. Mas estou bem motivada e animada. Estou pensando até em colocar essa listinha na parede do meu quarto para não esquecer. Torçam por mim!

E vocês, fizeram suas listinhas? Temos algum objetivo em comum? Contem, contem!

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Volta às Aulas: Mochilas

Tumblr_m5dun92vm91qfji2jo1_500_large
http://weheartit.com/entry/30273742/via/impearldejesus
Ainda no clima de volta ás aulas (mostrei os cadernos que comprei aqui), além dos materiais, ainda temos que resolver várias outras coisas. Boa parte das pessoas gosta de começar o ano com tudo novinho em folha, inclusive a mochila. Apesar de não pensar em trocá-la esse ano, para mim, é um item indispensável numa vida escolar (ou fora dela), pois já que não temos armário no colégio nem temos todos os livros dentro de um tablet, temos que carregar milhares de coisas para lá e para cá. Zilhões de livros, cadernos, garrafinha de água, estojo, escova de cabelo, creme para pentear, kit para unhas... Pobre das nossas costas!

Mas se é para ficar com uma baita dor na coluna, que tenha com estilo. Ando vendo muitas bolsas lindas ultimamente, então separei 18 mochilas fofas, para gostos variados, até R$ 185, que dá para comprar online, para você sair linda para a escola. Vamos lá?


Mochila FiveBlu (R$ 79,95) ♥ Mochila Renner (R$ 89,90) ♥ Eu me apaixonei por essa mochila rosa com estampa de gatinhos muito fofa! - Mochila Renner (R$ 89,90) ♥ Adorei também a verde quadriculada com coração, achei simples, fofa e com aquela pegada geek divertido - Mochila Amo Muito (R$ 92,00) ♥ Mochila Hello Kitty (R$ 94,90) ♥ Mochila Adidas (R$ 99,90)


Mochila Amo Muito (R$ 99,90) ♥ Achei essa mochila linda de mais! É uma estampa liberty que de longe parece até ser de estrelinhas - Mochila Amo Muito (R$ 99,90) ♥ Mochila Renner (R$ 99,90)  Mochila FiveBlu (R$ 103,00) ♥  Amei essa mochila de chita, a estampa é super diferente para uma bolsa, gostei! - Mochila Amo Muito (R$ 119,00)


Mochila Renner (R$ 119,90) ♥ Mochila Renner (R$ 119,90) ♥ Mochila Amo Muito (R$ 152,00) ♥Como não amar a mochila com a bandeira do Reino Unido, me fala? - Mochila Sweet Lucy (R$ 179,00)  ♥ Não sou fã da estampa da bandeira americana, mas que essa mochila está linda, está. - Mochila Sweet Lucy (R$ 179,00) ♥ Mochila Sweet Lucy (R$ 185,00)

Mas se você não for trocar de mochila (como eu), não fica triste não. Aproveita e solta a sua criatividade enfeita a mochila do ano passado com bottons, tachinhas, chaveiros legais, ou você pode até pintá-lá, para isso e muito mais não faltam tutoriais DIY na internet! 

Ah, outra dica. Se vocês quiserem ver mais mochilas legais e diferentes, é só passar numa loja da Renner ou visitar o site da Amo Muito, que tem muitas coisas legais mesmo. Mas vou logo dizendo que já vi muita coisa esgotada, principalmente as coisas mais legais. E para você que é mais básica e esportiva, passa no site da Netshoes para encontrar mochilas de marcas como Adidas, Nike ou Puma.

Meninas, gostaram das mochilas? Qual vocês comprariam?






quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Discovering Europe: Paris, parte 2


Depois de passar o dia na Torre Eiffel e na Disneyland Paris, o nosso terceiro dia em Paris foi mais corrido. Fomos para Versailles, o museu do Louvre, a Basílique du Sacre Coeur, uma passadinha no Moulin Rouge, e a Torre Eiffel a noite. Ufa!

Acordamos, tomamos café da manhã, e fomos pegar o RER C para Versailles.  Até aí tudo bem, não estava frio em Paris e eu saí de saia e uma blusinha fininha, mas quando eu cheguei em Versailles... Brr, que frio! Tinha uma fila para entrar e vocês não imaginam a minha felicidade quando entrei num lugar protegido. 



Eu até que já vi bastante coisa para os meus 14 anos, mas aquele Palácio de Versailles é muito luxuoso!  É até meio ridículo tanto luxo num lugar só.



Não sou muito fã de cachorros, mas esse da pintura era lindo de mais!


Nada contra, mas me digam se esse Louis XIV, o tal de Rei Sol, não parecia uma mulher?


Os famosos jardins do Palácio de Versailles é um espetáculo a parte. É lindo de mais! Eles são enormes, um dos maiores.


Depois de comer num Mc Donalds de Versailles, pegamos o trem de volta para Paris, para irmos ao Museu do Louvre, sinceramente, só para ver a bendita Monalisa e a Vênus de Milo. Sabe, a gente até acha a arte bonita, mas que para mim ficar apreciando as obras, olhando, admirando, é um programa de índio, isso é!



Estava lotado, deve ser sempre assim.


É uma cantora famosa? Uma atriz de hollywood? Um jogador de futebol? Um chefe de estado?

Não, é a Monalisa, ou La Gioconda. Esse tumulto todo é por ela.


Ignore as olheiras, a cara de retardada e todo o resto, porque eu tirei foto com o quadro mais badalado do mundo. Que pra mim é só uma mulher estranha e feia, haha.




Dois retardados.


Depois, fomos para Montemartre, aquele famoso bairro boêmio de Paris, para ver a Basílique do Sacre Coeur. Mas até acharmos a bendita igreja foi um sacrifício. Depois de subir uma ladeira imensa, vimos em alguém disse que para chegar na basílica tínhamos que descer, então descemos e vimos que não tínhamos que descer, e que tinha um funicular para subir, que nos deixava bem pertinho da basílica.

E quando fomos pegar o funicular, chegou um brasileiro espertinho, sem saber de onde que a gente era, que pulou a catraca com um amigo de outro lugar e ainda ficou dizendo em português "Ah, isso é normal no Brasil, todo mundo faz." Achei um absurdo isso, o que vão pensar do nosso país? E pelo menos na minha cidade, a maioria das pessoas paga passagem. 

Eu e meu pai ficamos logo com a cara feia. E além disso, quando o cara atendeu uma ligação, ficou tirando onda com o meu pai, chamando ele de sogro nervosinho (!), porque ele não sabia que a gente estava entendendo tudo o que ele falava. Então o meu pai falou: "No Brasil isso não é normal não". E o cara ficou todo descabriado, deve ter procurado um buraco para se enfiar. Então começamos a conversar com ele, um soteropolitano que foi dançar capoeira na Europa para ganhar uns trocados. Ele pediu mil desculpas, haha.


A Sacre Coeur é linda, bem diferente, não é? E a vista de Paris de lá também é linda. Estava lotado de gente, e tinha até casais de noivos tirando fotos lá. Também entramos na Basílica e assistimos um pedaço da missa, em francês. É claro que não entendi muita coisa, mas parece a mesma coisa das missas daqui. Eu tirei mais fotos lá, mas ficaram tão toscas que eu decidi não postar por aqui.


Ladies and gentlemen welcome to Moulin Rouge! Vocês não tem noção, há muito tempo eu planejo fazer minha festa de 15 anos com o tema Moulin Rouge, eu sempre achei muito legal essa coisa de vermelho, brilhos, glamour, dança, o moinho, até a fonte do nome, tudo. Eu não pretendo mais fazer festa de 15 anos, mas foi muito legal estar cara a cara com o cabaré mais famoso do mundo!


Depois disso, fomos para a Torre Eiffel, esperar anoitecer para vê-la iluminada. Estava demorando demais para escurecer, e estava ficando frio de mais também. Então a torre se acendeu, incrível de bela. 


Estranha e desfocada, mas gostei.


Na verdade nem estava totalmente escuro quando acenderam as luzes.


Eu juro que essas bolinhas não é fruto de nenhuma edição. Acho que a lente estava suja, mas amei o resultado assim.


"Tô nem aí, tô em Paris!"

A gente não podia demorar muito por lá para não chegar muito tarde no hotel, mas na hora que a gente estava saindo, acho que era meia noite, era a hora que tinha mais gente chegando. As pessoas levavam sua comida, seus amigos e iam fazer um piquenique ali, com aquela torre ao fundo. Morri de vontade de fazer o mesmo, sei lá, passar num mercadinho e ficar ali jogando conversa fora com o meu pai, mas não podíamos. Ficou para a próxima, e que a próxima esteja bem próxima. Au revoir.

Ai ai, Paris...