sábado, 15 de setembro de 2012

Discovering Europe: Dresden


Como é bom dar as caras por aqui novamente! Deixa eu explicar, é que faz umas três semanas que a minha internet está uó - e praticamente a cidade inteira que usa a internet da NET - então esse é o motivo da minha ausência. Eu fiquei doidinha doidinha sem internet, sem postar, sem ler posts... Enfim. Na manhã de hoje a internet voltou, e eu estou super animada para colocar isso aqui em dia!

É gente, eu sei que é um absurdo depois de três meses ainda estar em Dresden (ainda falarei de Berlin, talvez Bruxelas, Londres, Paris e a volta), mas eu vou postar tudo o que tiver que postar, não importa o quanto eu demore, terão que me aturar!

De manhãzinha saí de Praga e fui para Dresden. Se não fosse pelo meu Pai, eu dispensaria Dresden. Estava empolgada para voltar a Alemanha, mas não exatamente para conhecer essa cidade. Pois bem, ainda bem que eu fui lá. Eu me encantei com Dresden! Na Segunda Guerra Mundial, a cidade praticamente ruiu em cinzas, sobrando pouquíssimas coisas. A cidade, que ficava antigamente na antiga Alemanha Oriental, está reconstruída, mas até hoje, há várias coisas em reforma. Não sei se foi porque o dia estava bom, mas vale muito a pena visitar Dresden. Sério, eu me diverti muito nessa cidade.


Sinceramente, eu nem me lembro de ver nenhum ponto turístico exceto a Frauenkirche. A Frauenkirche é uma igreja luterana que foi destruída na Segunda Guerra Mundial, foi reconstruída, e reinaugurada em 2005. Andamos até a Frauenkirche, passamos por um mercado, e depois voltamos ao mercado. É num dia desses que se fica evidentemente claro que as melhores coisas de uma viagem não são monumentos e pontos turísticos.

Lá nesse mercado, comemos um Zuckerwatte, ou algodão doce se você não quer dar uma de que está começando a se aventurar pelo Alemão, como eu, andamos de roda gigante, e meu pai até se arriscou a comer as famosas salsichas alemãs. Haviam crianças se molhando numa fonte, ou seja lá o que for aquilo, e eu fiquei morrendo de vontade de ir também. Sentamos num bar ao ar livre, e meu pai tomou uma cerveja preta, e eu uma coca. Ainda conversamos com uns alemães sentados perto de nós, mas nem se anime, eram todos velhos, hihi. E já que eu não sou nada aventureira em se falando em comida, comprei um tradicional Mc Donalds, e fiquei ali, ouvindo uma música alemã que estava tocando em algum lugar, enquanto esperávamos o horário do trem.






A pior e mais cara raspadinha que já tomei!



Frauenkirche e o meu "brother" Martin Luther. Um dos melhores assuntos de história, fiz um trabalho sobre ele.

Homens de areia. Legal não é?











O dia foi muito bom, tudo ocorreu muito bem, mas a viagem para Berlin não teve mordomias. Como o trem estava vindo de Budapeste, que por sinal era muito longe, o trem estava saturadíssimo. O que me restou, foi o assento mais luxuoso do trem: o batente da porta de entrada. Mas esses mínimos detalhes nem importam, afinal, eu estava novamente na Alemanha!


E nos próximos capítulos, digo, posts... Berlin! Ah, minha amada Alemanha.

2 comentários:

  1. Segunda guerra mundial haha ia amar esse lugar. E sério, to morrendo de vontade de comer algodão doce agora kkkk Amei as fotos ^^
    Beijos
    Diário Ciumento

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ia mesmo, com certeza! Aaah, mas esse "Zuckerwatte" tava uma delícia! Obrigada Mari <3

      Excluir

Dê seu pitaco!